Gota d'água

Trabalho de Produção de Texto sobre o livro "Gota d'água" de Chico Buarque e Paulo Pontes.

segunda-feira, abril 03, 2006

Crítica ao livro "Gota D'água"

O livro "Gota D'água" critica o capitalismo mostrando a realidade social da baixa classe brasileira, onde Creonte, personagem explorador do conjunto habitacional, cobrava juros abusivos dos moradores, caracterizando assim o capitalismo.
A partir da leitura do livro, podemos concluir que vivemo em uma sociedade onde a obtenção de lucros é o objetivo principal, o que faz com que as pessoas não pensem no bem estar do próximo.

quinta-feira, março 30, 2006

Resumo da Obra



A Obra literária Gota d’agua, de Chico Buarque e Paulo Pontes, modifica a tragédia grega
Medéia, de Eurípides, contextualizando-a com o Rio de Janeiro da década de 1970. transformando a protagonista na sofrida Joana e Jasão em um sambista, autor da canção que intitula a peça. Elementos presentes na cultura brasileira, como o samba e a macumba, são acrescentados ao mito, além da focalização no contexto brasileiro, no sofrimento de um povo pobre, morador de um conjunto habitacional e explorado por Creonte, dono das casas.

Em Gota d’água Joana abandona seu marido para juntar-se a Jasão, que faz sucesso no rádio com a música “Gota d’água”.

"Já lhe dei meu corpo, minha alegria
Já estanquei meu sangue quando fervia
Olha a voz que me resta
Olha a veia que salta
Olha a gota que falta pro desfecho da festa
Por favor
Deixe em paz meu coração
Que ele é um pote até aqui de mágoa
E qualquer desatenção, faça não
Pode ser a gota dágua."

Então Jasão casa-se com Joana e com ela tem dois filhos, porém, ele apaixona-se por Alma, filha de Creonte e abandona o lar para casar com sua amada. Ao ser abandonada Joana pode apenas contar com a ajuda de seu casal de amigos e confidentes Corina e Egeu, a quem confia seus filhos.
Indignado com os juros abusivos cobrados por Creonte, Egeu lidera o “coro dos descontentes” incentivando seus vizinhos a protestarem contra o explorador.
Joana tentou reconquistar Jasão, porém não obteve sucesso e com isso decidiu largar tudo e ir embora para recomeçar sua vida junto com seu dois filhos. Para poder se organizar Joana pede ao pai das crianças que fique com elas por umas duas ou três semanas, ele por sua vez pede ajuda ao seu futuro sogro, Creonte, por estar sem dinheiro.
Joana então manda os filhos irem até a festa de casamento de Jasão e Alma levando um presente para esta última em sinal de que não havia mais ressentimento, porém ao entregarem o embrulho para Alma, Creonte, seu pai, não permitiu que abrisse julgando ser feitiço pelo fato de Joana ser macumbeira.
Com os seus planos de matar seus inimigos fracassados, Joana decide acabar com a sua vida. Abraça seus filhos, abre o embrulho com o bolo envenenado, dá ás crianças e depois come do mesmo.
No final Egeu leva o corpo de Joana no colo, Corina carrega as crianças e ambos põem os corpos na frente de Jasão e Creonte.

Biografia de Paulo Pontes


Paraibano,nasceu em Campina Grande em 1940.Com 20 anos foi morar no Rio de Janeiro, onde teve decisiva importância na vida cultural da cidade.
Escreveu para a televisão- como exemplo dessa fase temos o programa "A Grande Família", da TV Globo, sob sua responsabilidade durante um ano.
Como autor teatral teve expressivos exitos com "Um Edíficio Chamado 200", "Check-up", "Dr. Fausto da Silva" e "Brasileiro: Profissão e Esperança".
Com Chico Buarque e sob a inspiração de Oduvaldo Viana Filho escreveu "Gota D'água", adaptação de "Medéia" de Eurípedes. "Gota D'água" recebeu o prêmio Molière como melhor texto apresentado em 1975.
Em 1976 quando morreu, Paulo Pontes estava escrevendo, também com Chico uma comédia musical de título "O Dia em que Frank Sinatra veio ao Brasil".

Biografia de Chico Buarque


Francisco Buarque de Hollanda é o quarto, entre sete filhos. Nascido no Rio de Janeiro em 19/06/44 , Chico se tornaria, anos mais tarde, um artista completo. Foi pela música, porém, que Chico demonstrou interesse e através dela se tornou conhecido e respeitado.
Com 9 anos Chico já compôs algumas marchinhas carnavalescas. Aos 12 anos, suas irmãs mais novas juntavam-se para cantar operetas compostas por ele.
Foi o disco "Chega de Saudade", de João Gilberto, porém, que alterou de forma definitiva a sua relação com música.
A primeira apresentação em show aconteceu em 1964, cantando "Canção dos Olhos".É desse ano, também, a música "Tem Mais Samba", que segundo o artista, é o ponto de partida na sua trajetória como artista profissional.
O primeiro disco gravado em 1965, obteve sucesso.Desde então, Chico Buarque não parou mais de compor, participar de festivais de música, atuar em programas e musicar espetáculos teatrais.Sua música "A Banda" foi uma das campeãs do Festival da Record de 1966 e ajudou a fazer de Chico um artista conhecido nacionalmente.
Em 1969, descontente com os caminhos políticos e com a retaliação cultual imposta pela censura, decide exilar-se, por conta própria, na Itália.Em 1970, voltou ao Brasil e retomou em suas canções o protesto político. Em função disso foi cada vez mais vigiado pelo censores. Estava em uma fase absolutamente criativa, onde shows, discos e trilha sonora para cinema e teatro se sucediam com incrível constância.
Depois disso, Chico permaneceu, mais uma vez, afastado dos palcos durante 5 anos. Em 1998, o lançamento "As Cidades" tormou-se mais uma vez um marco em sua carreira.
Desde os anos 60, Chico Buarque é referencia obrigatória na música popular brasileira. Sua influência no cenário musical foi decisiva em tudo o que de significativo ocorreu.
Com 61 anos de idade, Chico está muito presente na memória do Brasil.